Caixa não paga e construtoras paralisam obras do Minha Casa, Minha Vida no RN

29 de abril de 2015
Comentaristas:

O Sindicato da Indústria da Construção Civil do Rio Grande do Norte (Sinduscon/RN), anunciou a paralisação de obras do programa Minha Casa, Minha Vida no estado. Este é o reflexo da crise que atingiu o programa do Governo Federal, com atrasos no pagamento das construtoras contratadas. A paralisação dos serviços começará a partir de hoje (29) e vai atingir obras em cinco municípios: Natal, Mossoró, São José de Mipibu, São Gonçalo do Amarante e Monte Alegre.

Foto: sitionovornemfoco.blogspot.com

Foto: sitionovornemfoco.blogspot.com

No comunicado enviado para a Caixa e para o governo, o Sinduscon explica que os pagamentos das obras vêm sofrendo atrasos constantes desde outubro de 2014, criando dificuldades de caixa para as empresas. “Os constantes atrasos levaram às empresas a reduzir o ritmo das obras à níveis mínimos, encarecendo substancialmente os custos administrativos, visto que obras com cronogramas de execução previstos para 18 (dezoito) meses terão seus prazos de execução prolongados no mínimo por mais 6 (seis) meses”, diz o ofício emitido pelo Sindicato. O débito, por parte do Governo Federal, é de R$ 15 milhões. Seis empresas potiguares aguardam o pagamento pela construção de mais de quatro mil unidades habitacionais no estado.

Com a decisão, cerca de 4 mil trabalhadores da construção civil no Rio Grande do Norte estarão desempregados na próxima segunda-feira (4), caso as negociações não avancem e os pagamentos atrasados não sejam regularizados. O problema também acaba se estendendo para as famílias que necessitam e aguardam por suas moradias e que a partir de então não saberão mais quando irão rebeber suas casas.

 

 

Deixe seu comentário:

Leia também:

Debate

Somente determinados usuários podem comentar esta notícia, se deseja comentar, por favor entre em contato com o administrador

© 2015 RioGrandedoNorte.Net - Todos os Direitos Reservados

O RioGrandeDoNorte.Net seleciona as notícias mais importantes da semana a partir das mais confiáveis fontes de informação setorial. Em algumas delas, agregamos o noticiário de um assunto em um só item, ressaltamos (negritando) ou até comentamos (grifando) a notícia original, caso pertinente.