Inadimplência atinge altos índices no RN

12 de maio de 2015
Comentaristas:

As dívidas financeiras atingem uma parcela de 50,2% dos potiguares só nos primeiros quatro meses do ano. Em outras palavras, para cada 10 pessoas incluídas no cadastro de restrição do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), apenas cinco conseguem quitar as dívidas e limpar o nome. O percentual é o pior registrado no Estado em cinco anos.

Atualmente, o saldo de restrição de crédito mostra que as mulheres estão entre as mais endividadas, mas os números da inadimplência revelam dívidas de pequeno porte, a maioria com valor que não ultrapassa a casa dos R$ 50, ou seja, de fácil quitação.

Foto: internet

Foto: internet

Diante desse cenário, a Câmara dos Dirigentes Lojistas da capital potiguar (CDL/Natal), entidade detentora da licença de operação do SPC no RN, acredita que esses números poderão ser revertidos com alguma tranquilidade. De acordo com Augusto Vaz, presidente da instituição, a atual situação econômica que o Brasil está passando, aliado à inflação em alta, causa forte impacto na renda do consumidor, que acaba ficando sem condições de honrar os compromissos, uma vez que os salários permanecem estagnados.

A última pesquisa realizada pelo Serasa que detalha a situação dos consumidores potiguares foi publicado em novembro de 2014. No estudo, que apresenta uma análise sobre as regiões e as capitais, Natal aparece como a penúltima na lista de populações devedoras (27,7% do total), à frente apenas de João Pessoa, que registrou 27,3%. A cidade mais endividada da região nordeste foi a capital maranhense, São Luís, onde 36% da população tem o crédito restrito.

Deixe seu comentário:

Leia também:

Debate

Somente determinados usuários podem comentar esta notícia, se deseja comentar, por favor entre em contato com o administrador

© 2015 RioGrandedoNorte.Net - Todos os Direitos Reservados

O RioGrandeDoNorte.Net seleciona as notícias mais importantes da semana a partir das mais confiáveis fontes de informação setorial. Em algumas delas, agregamos o noticiário de um assunto em um só item, ressaltamos (negritando) ou até comentamos (grifando) a notícia original, caso pertinente.