RN fecha 2014 com mais de mil turbinas eólicas e assume a vanguarda

29 de dezembro de 2014
Comentaristas:

Notícia publicada no Jornal de Hoje:

O Rio Grande do Norte voltou a ser destaque no cenário nacional através de sua potencialidade eólica. Após ser o primeiro estado do país a quebrar a barreira de 1 GW de potência eólica instalada, fato que ocorreu na metade deste ano, o RN se tornou também o primeiro estado a alcançar a quantidade expressiva de mais de mil turbinas eólicas instaladas. Ao todo são 1007 turbinas através de uma potência de cerca de 1.7 MW e 65 parques eólicos em operação.

De acordo com o diretor-presidente do Cerne (Centro de Estratégias em Recursos Naturais e Energia), Jean-Paul Prates, os indicadores de desenvolvimento eólico no Estado são interessantes para captação de novos investidores. “Somos o primeiro estado a alcançar essa quantidade expressiva de máquinas, resultado de um longo processo de implantação de parques eólicos que vem sendo realizado desde 2009″, comentou.

Desde a última quarta-feira (24) foram liberados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), para entrarem em operação comercial, os parques eólicos de Renascença I a IV, Ventos de São Miguel e Carcará II. Cada um dos quatro parques Renascença e o parque Ventos de São Miguel é composto por 15 turbinas eólicas de 2 MW do fabricante dinamarquês Vestas, somando um total de 150 MW, localizados no município de Parazinho.

Foto: Jornal de Hoje

Foto: Jornal de Hoje

“Com essas novas turbinas, estamos finalizando o ano com o RN em destaque nacional. Dentro disso, é interessante observar o desempenho do município de Parazinho, que hoje se apresenta como o município do Brasil com o maior número de máquinas instaladas. Esse dado reforça a importância da produção eólica para o desenvolvimento econômico e social do município, que por muitos anos sobreviveu da agricultura familiar e do Programa Bolsa Família”, disse Jean-Paul Prates.

Apesar de o RN ter tido um desempenho aquém do esperado nos leilões realizados neste ano, as possibilidades de investimento de grandes empresas aumentam a cada temporada. Para que o estado se mostre atrativo, é importante que sejam concedidas políticas de incentivo.

“Hoje, o empresário que quer investir na capacidade eólica do nosso estado não sabe quem ou o quê procurar para conquistar benefícios. Fica completamente perdido, caindo na selva burocrática do RN. Precisamos ter pacotes atrativos e um ambiente mais organizado para os empresários poderem investir. Essa deve ser uma das metas do Estado no próximo ano”, afirmou Prates.

Para que o RN conquiste uma política consistente de desenvolvimento econômico nos próximos anos, Silvio Torquato, atual secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico (SEDEC), aposta na boa convivência/relacionamento do Governo do RN com os empresários.

“Nós fizemos isso muito bem e o próximo governo precisa manter o bom relacionamento, melhorando o ambiente para facilitar as licenças dos parques eólicos e as linhas de transmissão”, disse a O JORNAL DE HOJE, ao fazer uma avaliação da atual gestão da SEDEC.

“Faço uma avaliação muito positiva do RN nestes últimos anos, com relação aos investimentos na indústria eólica. Um dos destaques foi a nossa conquista na implantação da indústria de fabricação de aerogeradores e torres em Areia Branca. A empresa Acciona investiu quase R$ 60 milhões para se instalar aqui”, comentou.

Os 1.7 MW de capacidade instalada também é resultado dos investimentos feitos ao longo dos últimos quatro anos, segundo Silvio Torquato. “Conquistamos a primeira posição do país em capacidade de geração. Nós últimos leilões não tivemos grande participação, mas temos ativo muito grande de energia e capacidade instalada”, afirmou o secretário.

Clique aqui para ver a publicação original

Deixe seu comentário:

Leia também:

Debate

Somente determinados usuários podem comentar esta notícia, se deseja comentar, por favor entre em contato com o administrador

© 2015 RioGrandedoNorte.Net - Todos os Direitos Reservados

O RioGrandeDoNorte.Net seleciona as notícias mais importantes da semana a partir das mais confiáveis fontes de informação setorial. Em algumas delas, agregamos o noticiário de um assunto em um só item, ressaltamos (negritando) ou até comentamos (grifando) a notícia original, caso pertinente.